A quarentena está refletindo na forma que as crianças se comportam e desenvolvem, sono alterado, alimentação descontrolado, emoções à flor da pele, ensino a distância… Como lidar?

aula do dia 08/10/2020

Um levantamento realizado na província chinesa de Xianxim com 320 crianças e adolescentes revela os efeitos psicológicos mais imediatos da pandemia: dependência excessiva dos pais (36% dos avaliados), desatenção (32%), preocupação (29%), problemas de sono (21%), falta de apetite (18%), pesadelos (14%) e desconforto e agitação (13%).

O confinamento vem limitando e muito, o gasto de energia da garotada. 

Consequências:

• Agitação;

• Irritabilidade;

• Alterações no sono;

• Alimentação desequilibrada;

• Sedentarismo.

E aí, outro dilema dá as caras: o limite de uso das telinhas e telonas. No início do ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) atualizou suas recomendações para a saúde mental de crianças e adolescentes na era digital, reforçando que a exposição a celular, tablet e afins se restringisse a uma hora por dia entre 2 e 5 anos de idade e, no máximo, duas horas por dia entre 6 e 10 anos, sempre sob supervisão de adultos.

Que tal uma dose de ESPORTE no dia a dia?

Durante a pandemia, as crianças estão com as opções de atividades físicas mais restritas. Mas isso não precisa ser motivo para ficarem paradas.

Levando em consideração o contexto e as possibilidades de cada um é  importante estabelecer uma rotina para a prática da atividade física.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou as recomendações para a retomada da prática de atividade física por crianças e adolescentes, de forma segura, no chamado “novo normal”.

O documento elaborado pelo Grupo de Trabalho em Atividade Física da entidade é voltado as escolas, professores de educação física, pais e cuidadores.

Nele, a SBP lembra que crianças e adolescentes devem acumular 60 minutos de atividade física de intensidade moderada a intensa por dia, incluindo modalidades que estimulem ossos, músculos, mobilidade articular e exercícios envolvidos no desenvolvimento motor e de habilidades como equilíbrio e coordenação.

Benefícios do ESPORTE para a criançada

Aumenta o GASTO ENERGÉTICO: Isso faz com que eles fiquem menos ansiosos, queimem as calorias extras e trabalhem a questão muscular, coordenação, equilíbrio, foco (como exige também as artes marciais).

Melhora a QUALIDADE DO SONO: criança mais tranquila, sono mais tranquilo.

Diminui a ANSIEDADE: o esporte aumenta a produção de dopamina, serotonina, endorfina. Substâncias essas que dão maior sensação de bem estar, relaxamento, tranquilidade e até diminuem a compulsão por açúcares em geral.

Oxigenar o cérebro: uma atividade de moderada intensidade, como o jiu-jitsu por exemplo, exige mais do sistema cardiorrespiratório das crianças. Assim, a oxigenação nos tecidos, em especial, no cérebro melhora. Dessa forma a concentração, memória, atenção, foco melhora demais. A escola agradece também!

A importância da ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 

Que tal ter a participação espontânea da criança com o alimento? Sabia que isso pode favorecer sua aceitação na hora comer?

Essa oportunidade de aproximação dos alimentos in natura é uma ótima maneira de desvencilhar das tentações dos ultraprocessados, que prejudicam a saúde por serem ricos em calorias, gorduras, sal, açúcar e aditivos químicos. Sendo eles também os principais responsáveis pelo ganho de peso excessivo das crianças.

Nessa fase as crianças acabaram tendo mais acesso à produtos alimentícios, e, junto com o sedentarismo, as crianças começaram a ganhar peso em excesso aumentando também o apetite. Portanto, ela passa a ter uma vontade maior de comer, especialmente os alimentos ultraprocessados. Por esse motivo, quanto mais as famílias prepararem suas refeições com alimentos in natura e minimamente processados, melhor!

Nenhum alimento precisa ser proibido, basta ter equilíbrio. Não há problema em comer pratos mais calóricos de vez em quando, desde que isso seja uma exceção e não a regra. Separamos abaixo algumas dicas de cuidados com a alimentação infantil durante a quarentena: 

• Crie uma rotina de alimentação, com horários definidos para cada refeição, pois isso reduz o risco de a criança querer comer lanches e doces durante o dia para “enganar” o estômago;

 • Não ofereça alimentos direto do pacote, especialmente industrializados como bolachas e salgadinhos. Divida os produtos em potes separados para limitar a quantidade que a criança irá comer e evitar exageros; 

• Se possível, realize algumas refeições em família, com todos sentados juntos para comer, para que a hora da refeição também se torne um momento agradável e prazeroso; 

• Deixe frutas prontas para consumo à disposição da criança nos momentos em que a fome bater entre as refeições. Lembre-se de lavar bem os alimentos antes do consumo; 

• Ofereça água, muita água. Tente se lembrar de tomar água com frequência e, sempre que beber, ofereça também às crianças. Existem aplicativos de celular que ajudam enviando lembretes;

 • Evite levar as crianças ao mercado. Além de ser uma medida de prevenção contra a Covid-19, dessa forma somente o responsável escolhe os itens a serem comprados, evitando que os filhos fiquem com vontade de diversos produtos ao passar pelos corredores do mercado.

Nutricionista Responsável

Dra. Juliana Rossi Di Croce

CRN 40228

Nutricionista formada pela Universidade Cruzeiro do Sul (CRN 40228).

Pós Graduada em Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica – FAPES.

É Sócia Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e Co- autora dos Livros:  “Saúde & Sabor Vol I -2ª Edição” (2020), “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II.

Deixe seu comentário